"Essa sim é cerveja de verdade!", mas afinal de contas, o que é uma cerveja?

Quem nunca ouviu de um beergeek exigente a expressão "aquilo que é cerveja" ou então "isso não é cerveja de verdade", as afirmações demonstram desprezo por algum produto que não é do agrado do consumidor. Pois é, acredito que muitos já ouviram ou ainda irão ouvir essas afirmações baseadas em uma opinião leiga, não em fatos técnicos ou históricos.

Felizmente para os amantes da cerveja de toda parte, a fórmula básica da cerveja permaneceu a mesma por séculos: a cerveja é o produto fermentado resultante da combinação cuidadosa de água, malte, lúpulo e fermento. Simples e direto assim.


Tudo bem que, o lúpulo nem sempre foi incluído na mistura, mas falaremos disso mais tarde. No que diz respeito à indústria de cerveja moderna, seja qual for a cervejaria, o trio malte-lúpulo-levedura será o segredo de seu sucesso. Claro, sendo esta a indústria de cerveja moderna, também há uma chance de alguém inserir abóbora nela, ou talvez, a cerveja tenha sido "lupulada "por um período de tempo extralongo - resultando em um sabor mais amargo. Mas a espinha dorsal da sua cerveja, da Brahma à artesanal da sua cidade, permanece a mesma.


E isso porque você não mexe com a simplicidade de uma boa receita. Olhando um pouco mais de perto, descobrimos que a cerveja, assim como o pão fermentado, é o produto da fermentação do amido. Os grãos, na maioria das vezes de cevada, germinam parcialmente e são combinados com água, criando uma espécie de "mingau" de cereais em que os cervejeiros liberam um pequeno exército unicelular de Saccharomyces cerevisiae , ou levedura de cerveja. Agora, o fermento adora açúcar quase tanto quanto uma criança em uma loja de doces, as leveduras criam subprodutos mágicos: etanol e CO 2, que pode aparecer em vários níveis em algumas de nossas cervejas favoritas, e menos favoritas. (O álcool na cerveja é frequentemente registrado no rótulo como "ABV", álcool por volume .).


Lúpulo, a flor em forma de cone de uma planta trepadeira alta relacionada à cannabis, é adicionado no processo de fabricação da cerveja como meio de estabilização e para transmitir seus sabores característicos - que variam de amargo e adstringente a floral, frutado e cítrico. E, embora as cervejas possam ter uma aparência de dourada e ultraleve a um marrom quase impenetrável de luz, porque a base da cerveja é um "mingau" de grãos, as cores finais geralmente tendem a ficar em algum lugar no espectro de dourado a acastanhado.


Mais uma vez, as variações (dos grãos ou lúpulo ou mesmo das cepas de levedura usadas) são abundantes e, assim como o vinho, a cerveja pode às vezes assumir parte do terroir ambiental de sua região (cepas de leveduras indígenas, minerais da água, frutas locais ou sabores de lúpulo, etc. .). Mas onde quer que a água, malte, fermento e lúpulo se juntem de tal forma que a fermentação aconteça, o resultado - que você pode desfrutar de uma garrafa, lata ou um simples copo, sendo talvez até mesmo um copo de uma Pilsner elegante - tudo isso sempre será cerveja, indiferente da opinião do consumidor.

©2020 por Cerveja em Foco. Desde 2014