Moagem de Malte - Entenda a necessidade na produção de cervejas


Produzir uma cerveja pode parecer simples, mas se não houver cuidado com cada etapa do procedimento, todo o trabalho pode ser perdido.


Depois que criamos a receita, pesamos e separamos o malte e então devemos moê-lo. O malte de cevada deve ser moído de forma a quebrar todos os grãos, porém sem fazer muito farelo. Se o malte for moído muito fino irá fazer “farinha” da casca que irá gerar problemas na filtragem.


A casca do malte de cevada possui taninos, onde em temperaturas acima de 78°C irão se soltar da casca, indo para o seu mosto e o resultado será uma cerveja com adstringência.


Se o malte for moído de forma que fique muito grosso, diversos grãos não terão seu conteúdo exposto e consequentemente você terá de gastar mais malte para conseguir o resultado desejado.


A porcentagem de aproveitamento do conteúdo dos grãos chama-se eficiência e durante a elaboração da receita você deve fornecer um valor ao programa utilizado. Comece com 75% e depois vá ajustando o valor de acordo com os resultados obtidos na sua produção.

Como o malte de trigo não possui casca para ser utilizada na filtragem moê-lo mais fino para ter um melhor rendimento pode ser uma alternativa. É uma alternativa para ser feita com todos os maltes especiais, que costumam ser mais caros.


No início você provavelmente moerá manualmente o malte. Girar manualmente o moinho gera uma melhor moagem dos grãos, beneficiando a eficiência. Porém, muitos cervejeiros acabam preferindo prejudicar um pouco a eficiência e ganhar tempo utilizando uma furadeira com um prego em L ou gancho conectado no moinho para acelerar o processo.


Fonte: Acerva Paulista

©2020 por Cerveja em Foco. Desde 2014