O que aconteceu com meu paladar?

Via de regra: crianças gostam de chocolate e adultos preferem churrasco ou saladas. O que acontece?

Nosso paladar em evolução 24 horas por dia, 7 dias por semana, evoluindo a cada refeição.

Nosso paladar gustativo é, no início da vida, atraído pelo sabores doces da vida (devido à lembrança do adocicado leite materno), com o passar dos anos somos ‘obrigados’ pela sociedade a inserir na alimentação frutas (ácidos) e verduras (amargas na sua maioria) e isso faz com que quase sempre acabemos nos rendendo e apreciando esses novos alimentos e sabendo os benefícios e malefícios vamos deixando de lado o açúcar.


Dividir mais um acontecimento do meu relacionamento com a cerveja.

Sempre fui fã (fiel) da nossa querida Weizen – única, coringa, não comprometia nada, sutil e saborosa – até que belo dia não consegui beber mais uma gota sem enjoar (não, não larguei o trigo e não estou grávida), mas então o que aconteceu com meu paladar? Apenas analisei e constatei que meu paladar nesse mundo tinha evoluído.

Assim como as crianças, eu aprendi a inserir o amargo na vida, afinal quando você vai envelhecendo as coisas vão ficando mais amargas (pausa para piada sem graça). À certa altura notei que meu paladar estava acostumado com a sutileza da Weizen e não me causava mais satisfação, foi onde encontrei meu lugar em meio as Pale Ale’s e IPA’s da vida. Com o tempo vamos experimentando um estilo aqui outro estilo ali e sem perceber nosso paladar foi ‘forçado’ pela curiosidade a se acostumar com um novo sabor, simples assim ele EVOLUIU.

Não quer dizer que nunca mais poderei beber uma Weizen, apenas que as papilas gustativas estão super acostumadas e necessitam de novidade, o paladar deve ser explorado e não estabilizado. Por isso a minha recomendação é: explore sabores, faça caretas, desafie-se! A gente só pode decidir a preferência depois de experimentar estilos.

#AnáliseSensorial #CervejaeSaúde

©2020 por Cerveja em Foco. Desde 2014