Pesquisa revela: Cerveja não afeta o treino e faz bem ao coração

A cerveja é o alimento mais consumido por brasileiros fora de casa, de acordo com a Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: Análise do Consumo Alimentar Pessoal no Brasil. Divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) neste mês de agosto, entre junho de 2017 e julho de 2018, pelo menos 51% da população ingeriu cerveja longe do domicílio.


Embora a bebida faça sucesso, muitos atletas preferem evitar para não atrapalhar o rendimento nos treinamentos. Segundo estudo da Universidade de Granada, na Espanha, publicado esse ano, o consumo moderado de cerveja não afeta o Treinamento Intervalado de Alta Intensidade (HIIT). Conforme analisado pelos pesquisadores, a cerveja não interferiu na aptidão cardiorrespiratória e na força muscular de adultos saudáveis, após a ingestão de duas doses diárias para homens e uma dose para mulheres, sendo uma dose o equivalente a 350 ml. Segundo especialistas ouvidos pelo EU Atleta, outros tipos de atividades físicas também não são afetados, especialmente se a cerveja for consumida algumas horas depois do treino.


– O Treinamento Intervalado de Alta Intensidade, também conhecido por HIIT, intercala exercícios curtos de altíssima intensidade com intervalos moderados ou curtos de baixíssima intensidade ou parado. Eles trazem à tona uma prévia em que o indivíduo consiga se condicionar rapidamente, onde o indivíduo usa de toda a energia do corpo para poder processar a alta intensidade. Quando falamos em cerveja, temos que lembrar que a bebida também conta com carboidrato, e o processo da ingestão pode liberar carboidratos que auxiliariam em uma energia de treinamentos como esse, devo lembrar que a cerveja contém álcool, e os rins precisam filtrar esse álcool e toda água do corpo – explica o profissional de educação física Amauri Maroto, pós-graduado em biomecânica, em fisiologia do exercício, em avaliação física e em treinamentos esportivos.


Amauri, alerta para o consumo exagerado da bebida. Isso porque, o álcool "rouba" a água do organismo, já que gera um efeito de absorção das moléculas de água (H2O), o que pode atrapalhar o rendimento do atleta. Ele recomenda a ingestão de bastante água, a fim de repor os eletrólitos e evitar a desidratação do corpo.


– Beber uma cerveja ou outra não faz mal, mas pode atrapalhar o rendimento quando em quantidades altas, pois a bebida pode trazer desidratação no pós-treino. Isso porque as pessoas precisam ingerir mais água após os treinos. Se a cerveja estiver acompanhada de bastante água, não tem problema, porque você estará fazendo a reposição principalmente do processo eletrolítico de água. Mas se a pessoa tomar apenas cerveja, o álcool roubará mais água do organismo, não causando grandes benefícios – diz ele.



O médico do esporte Páblius Staduto Braga, especialista pela Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE/AMB) e diretor do laboratório de ergoespirometria e calorimetria indireta do Hospital Nove de Julho, ressalta que é importante fazer o balanço da ingestão de calorias e da energia gasta durante os treinamentos.


– É importante dizer que o consumo moderado da cerveja não influencia no desempenho final do atleta. Claro que o balanço de ingestão de calorias e gasto de energia do treinamento deve estar bem documentado. De forma saudável, a bebida poderia ser ingerida de uma a duas doses por dia durante toda a semana – afirma Braga.


Fonte: Globo Esporte

©2020 por Cerveja em Foco. Desde 2014